sábado, 17 de outubro de 2015

DOS CASOS DE PTPATOLOGIAS PSÍQUICAS GRAVES----------- POR QUE NÃO FIZERAM MAIS PESQUISAS? SEMPRE BOM LEMBRAR.

Nunca mais pesquisas aqui pelo reino da Tupiniquínia.   Embora eu saiba que de nada adiantariam.  Porque a "rainha" decretou mesmo o seu não dia, mas "Tempo do Fico": " Se  é para o mal de todos e infelicidade geral da nação, diga ao povo que fico."   Cruzes!!   Há quem diga que todos pagamos pecados, quer pelo que cometemos nesta vida ou na encaranação ou encarnações passadas. Se é assim, nós, brasileiros, somos pecadores pra cacete.   E o mais curioso de tudo é que os seus meios de permanência foram os mais antidemocráticos possíveis.  Nosso "amadíssimo" Eduardo Cunha recusa todos os pedidos de "impeachment", o STF dá um despacho que dificulta a tramitação de um processo de impedimento, Renan Calheiros agora é fiel escudeiro de sua Maje
stade,  e "tudo fica como d'antes no quartel d'Abrantes".  É impressionante ver que a vontade de umas dez ou quinze pessoas se sobrepõe à de noventa e três por cento da população do país.  Isto é puro golpe político, antidemocracia irrefutável, prova cabal de que a sempre frágil democracia brasileira foi pro brejo de vez já a partir do dia em que o nosso "grande líder" (cada povo tupiniquim tem o grande líder que merece) Lula tomou posse na Presidência da República.   Na página do MOVIMENTO BRASIL LIVRE https://www.facebook.com/mblivre?fref=tsjá há avaliações de que seja  tarde para pensar em afastamento da mandatária e que muito provavelmente esta vai até o fim do mandato. 
Embora tenha tecido inúmeras considerações sobre o maldito "Fico", quero me ocupar mesmo é dos sete por cento que aprovam o governo Dilma.    Este grupo é formado por uma série de vertentes: a primeira, a meu ver, a predominante, é a dos militantes profissionais, gente que não trabalha e fica, logicamente em troca de benesses, os dias inteiros à disposição do PT, para defendê-lo com unhas e dentes.  Este ramo fica desempregado, perde a boa-vida se o partido sai do poder.  Esta gente se abriga nos movimentos sociais e sindicatos petistas.  Não estou aqui dizendo que são os sindicatos e movimentos sociais petistas ou todos os integrantes destes, mas que os inseridos neste caso  se integram aos sindicatos e movimentos sociais ligados ao PT.    Uma segunda fileira é muito diversificada: compreende pessoas não necessariamente atreladas a sindicatos e movimentos, mas que mantêm uma relação de troca de favores com o poder, como alguns pequenos empresários, políticos da fisiológica base aliada e pessoas a estes ligadas, alguns artistas, profissionais liberais e dirigentes de corporações cujos nomes não posso mencionar (por não estar a fim de ser réu em ação judicial) e que são motivo de vergonha de seus profissionais.   O terceiro grupo é o que precisa do partido no governo por conta dos assistencialismos baratos de Lula e Dilma, gente carente de recursos que precisa contentar-se com esmolas na ausência de políticas sociais verdadeiras.   Agora, a quarta e última de todas estas bandas... é a banda dos ptpatológicos, ou pessoas que sofrem de ptpsicose, petismopsicose, ptpatologia  ou petismopatologia mental crônica, que veem noticiários e acompanham os acontecimentos, sabem de tudo o que está ocorrendo, estão a par de todos os desmandos cometidos pelos governos petistas ao longo destes treze anos (que serão certamente dezesseis  no mínimo, segundo análise de muitos), acompanham atentamente todos os movimentos dos praticantes de corrupção que tinham ou têm qualquer forma de ligação com o partido, sabem tudo, tudo mesmo, mas são capazes de esmurrar mesas e sair na porrada em nome da legenda.   Estes sofrem de demência sectária grave intratável, são casos perdidos como os de torcedores e religiosos fanáticos que defendem seu clube ou  sua fé com uma intransigência cega e perigosa.  Nos casos patológicos a gente pode encontrar também os ptpatas, ou seja, psicopatas que, movidos  por interesses ou não,  estão  dispostos a matar no caso de o PT perder o poder. São  petistas que não admitem argumentações, questionamentos ou a própria realidade,  não conseguem imaginar ou admitir um mundo sem o governo do  PT aqui no Brasil.                                                

sábado, 10 de outubro de 2015

FORA PT E PSDB JAMAIS!

Não consigo esconder o quanto abomino o PT, e isto dá a impressão de que sou simpatizante (ou seguidor) do PSDB, mas isto é um rotundo engano:   não consigo digerir a existência do partido chamado "tucano".  Detesto igualmente um e outro.  Além disto, se fui ingênuo (ou idiota) o bastante para nutrir em mim a utopia socialista, hoje, após não crer mais em esquerdas e ter plena consciência de que defendia uma quimera, não me tornei por isto um admirador do pensamento neoliberal de Roberto Campos, Delfim Neto, Fernando Hernique (Fernando Henrique, sim! - que tem rótulo de socialdemocrata e conteúdo de capitalista selvagem). Longe disto, muito longe disto!  Defendo que o inevitável capitalismo precisa ter sua fome de lucro incessante contida, porque, se vantagem financeira é saudável, esta pode tornar-se um flagelo quando dá corpo a uma distribuição de renda e de oprtunidades que estupram o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.  O liberalismo econômico precisa ser freado, porque rouba de muitos o que é direito de todos: emprego, educação, segurança, habitação, etc...  É preciso amoldar essa fome de capital doentia à necessidades das massas.
O PT não tem nenhuma ideologia  senão a permanência no poder indefinidamente, é tão falso socialista quanto o ex-presidente FH  e seus asseclas.  O que difere um de outro é que na gestão petista os casos de corrupção adquiriram uma feição metastática ou septicêmica,  na pessedebista, menos incidentes; mas corrupção é corrupção, não importa se em menor ou maior escala.  Além disto, se por um lado "MInha Casa, Minha Vida" não é política habitacional, mas assistencialismo chinfrim como o "Bolsa Família", esmola que não educa, não prepara, não dá a nenhum beneficiário perspectiva de futuro... Se os programas sociais do PT não são verdadeiros, o PSDB sempre teve a franqueza de mostrar-se uma agremiação, tal como as gestões de Lula e Dilma,voltada para os interesses do grande capital. 
Nas eleições de 2014 pensei em adotar uma terceria via: Marina Silva. Mas não entendi exatamente a que vinha a candidata, porque numa das respostas aos ataques de Dilma revidou dizendo que a petista devia cuidar de empreender a reforma trabalhista: fim do décimo terceiro salário, de férias remuneradas, de FGTS... ou o que entende então ela por reforma da CLT?  
Poderia ter votado em alguém no primeiro turno, mas adoto o voto útila etapa inicial.  votar de acordo com os meus princípios e minha consciência em um candidato sem chances é  a meu ver mero exercício de vaidade:  "Sabia que não vencia, mas votei em fulano, pra marcar minha posição!" Tô fora! Podem pensar o que quiserem.
O que mais me desalenta no momento é que estamos encurralados entre a cruz,  a espada , o facão e o fogo:  o Brasil precisa livrar-se urgentemente do PT, mas o "impeachment" daria posse ao Michel Temmer e ao fisiologismo sanguessuga do PMDB.  Se o TSE cassa a chapa encabeçada por Dilma, novas eleições irão gerar  grandes chances de ascender ao Planalto o Aécio e os seus neoliberais perversos.  Se Dilma cai após dois anos de governo, assume Eduardo Cunha, que tem hoje a probidade muito colocada em questão e também traria consigo os insaciáveis pemedebistas.  Não há para onde correr.  Vejo um Brasil sem saída.
A classe política foi-se deteriorando ao longo dos decênios.  Sempre houve corrupção, fisiologismo, mentiras e outros vícios, mas em meus quase 60 anos de existência nunca vi um cenário tão caótico e deplorável.  Quando digo "PSDB também não", coloco no mesmo  saco "tucano" o DEM,  que é seu irmão siamês, o PDT, o PTB, o PP e inúmeras outras siglas partidárias que não mencionei.  Nunca os políticos colocaram seus interesses pessoais acima dos do país como agora.  O quadro do Brasil é mesmo septicêmico, a nação é um corpo agonizando numa infecção generalizada.

Barão da Mata

domingo, 4 de outubro de 2015

BELCHIOR, ESQUECIDO, O PENSADOR DE VERDADE


A área de cultura do Brasil deve muito a  Antônio Carlos Belchior,  este cearense nascido em Sobral,  no ano de 1946.  Autor de sucessos do quilate de "Como Nossos Pais"(interpretado magistralmente por Elis Regina), onde observa que, "apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais", numa contatação de que toda geração se vê evoluída e sábia em relação às anteriores e no entanto depois constata com certa frustração que é pouco diversa destas, quer no pensamento como no comportamento, não trazendo consigo as profundas mudanças sempre desejadas e não tendo ido além de uma postura rebelde natural e instintiva dos humanos.  Na música ainda alude a que nem sempre os líderes e formadores de opinião são, se comparados aos seus  seguidores,  apegados de forma aguerrida às coisas que professam, tendo até um profundo zelo pela autopreservação: " Hoje eu sei que quem me deu a ideia de uma nova consciência e juventude, tá em casa, guardado por Deus, contando vil metal".  Um niilista o Belchior, com ideias claras e canções altamente melodiosas.
Dentro deste mesmo niilismo cria "Dândi", com trechos como: "Mamãe, quando eu crescer
eu quero ser rebelde, se conseguir licença do meu broto e do patrão. Um Gandhi  dândi, um grande milionário socialista: de carrão chego mais rápido à revolução."  Já não acreditava num socialismo hoje numa profunda crise de credibilidade, doutrina utópica da qual muitos líderes despudorados se aproveitaram para enriquecer e se encher de poder enquanto manipulavam seus adeptos, que morriam e matavam em lutas sangrentas.  É quase que inteiramente a reafirmação do que deduz na música cantada por Elis.  Belchior é um visionário.
Em "Pequeno Perfil de Um Cidadão Comum"  fala das pequenas (ou grandes) ilusões e enganos do pequeno-burguês: "Era feito aquela gente honesta, boa e comovida, que caminha para a morte pensando em viver na vida. Era feito aquela gente honesta, boa e comovida, que tem no fim da tarde a sensação da missão cumprida."
Belchior é um pensador inato, observa a vida e as pessoas com olhos aguçados, é um homem de perspicácia incomum, que hoje se vê perdido, sem rumo e sem norte,  falido, menosprezado, desconhecido das novas gerações,  corrido, fugido, esquecido.
O Brasil é extremamente injusto com quem cria de verdade.  Este  mesmo Brasil que define Valeska Popozuda como "pensadora",  renega o genuíno talento, chuta pra longe quem tem real valor e fica cultuando a breguice ridícula e rasteira do "funk", as celebridades indevidas e descabidas dos "big brothers" e outros "reality shows" da mesma vil e baixa qualidade: são universos desqualificados e carentes do mais ínfimo intelecto, com apelos sexuais que nem por uma fração de segundo os consegue elevar de algum modo.  O Brasil não gosta do que é antigo, despreza a própria cultura, odeia  cultura na acepção de conhecimento, por isto é o paraíso dos espertalhões da política e do poder econômico, que amoldam a cabeça das massas ignaras aos seus interesses, produzindo concentração de renda e consequente pobreza, ignorância, miséria, deixando-lhes como forma de consolação as famigeradas bolsas-família e outras esmolas nascidas da infâmia dos poderosos.
Não nos iludamos: um povo que não sabe escolher seus artistas, muito menos sabe escolher seus representantes e dirigentes.  Uma gente que não tem conhecimento só sabe produzir para si mesma miséria, uma miséria autotrófica, porque produz  para si os elementos de que se nutre, que são a ignorância e o desconhecimento, que mantêm a miséria firme e vigorosa em seus alicerces.
Todo este quadro aprofunda e agrava o processo de declínio e empobrecimento cultural pelo qual o país passa, fazendo deste uma nação sem memória, sem  cultura própria, sem tradições e sem conhecimentos, sem referência nem noção de valor artístico,  atada com garras profundamente encravadas à sua ignorância.

Barão da Mata

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

ALGOZES DA VIDA DO MUNDO


Quando o sol veio como fogueira
e secou plantações e florestas,
trazendo a morte e a fome,
não era a fúria de Deus, 
era o dedo sujo dos homens,
que não sabem senão destruir.

Quando agrestes e matas arderam
em labaredas tão giganterscas,
não era a maldade do Demo,
mas de homens piores que ele,
que adoram queimadas e mortes,
cultuam somente o lucro,
num deleite tão bestial.

Quando vendavais imensos zumbiram,
tombaram o que havia em seu curso,
trouxeram tempestades dantescas,
imergindo, soterrando  e matando 
crianças, idosos e bichos,
foi tudo fruto do estupro
de humanos à natureza.

Dizei-me, Deus, respondei
que inferno puniria a contento 
pecadores tão sujos e infames,
pessoas tão más e tão sórdidas?
Se, Deus, sois justo, falai
por que os deixastes nascer
pra desgraça tão grande do mundo?  








domingo, 20 de setembro de 2015







  • ELES NÃO DEFENDEM A CIÊNCIA, MAS A CRUELDADE
  • AS DOUTRINAS E IDEOLOGIAS SÃO O CALABOUÇO DO PENSAMENTO

    Não gosto de doutrinas porque elas tolhem o pensamento.   Porque prentendem (e geralmente conseguem) que seus seguidores pensem de acordo com um modelo padronizado a ser rigorosamente obedecido.  Assim ficam delimitados os campos da concepção de ideias, do discernimento, da criatividade,  da visão sobre a vida e o mundo, da própria individualidade de cada um.
    Digo-o hoje com muita propriedade porque durante vinte anos de minha vida pensei dentro dos limites dos padrões estabelecidos por ensinamentos  de uma esquerda na qual não creio mais.  Nunca militei ou me filiei a qualquer partido político, mas pensava como um socialista democrático, como se um  dia no mundo algum país houvessse conciliado socialismo e democracia, como se o socialismo houvesse sido praticado de verdade e não fosse unicamente  uma utopia que tornou-se objeto de manipulação de manda-chuvas autoritários, para que estes se locupletassem e abrissem para si e seus asseclas um verdadeiro paraíso de regalias com enriquecimentos obtidos por meio de vastíssimos oceanos de corrupção.    
    Nas religiões a forma de amoldar as ideias é bastante semelhante  à da política.  Assim como no socialismo há Marx (que nunca li) e outras publicações,  a base das religiões cristãs, como o catolicismo, o protestantismo e kardecismo ( que é um espiritismo cristão, sim!) é a Bíblia com os seus evangelhos, cartilha que se deve seguir à risca.  Em todas as religiões calcadas em Cristo há sobretudo uma obriogatoriedade intransigente de se crer em Deus.  No caso específico do espiritismo de Allan Kardec (1804-1869), nunca ninguém aventou a possibilidade de o estudioso francês haver tido a necessidade de alinhar suas ideias à fé dos cristãos por receio de aquelas e ele próprio serem cruelmente pisoteados pela intolerante Igreja Católica.  
    Assim  como ao Kardecismo, frequentei uma filosofia chamada Racionalismo Cristão, que vê Jesus como filósofo maior, mas não crê em  uma entidade única a comandar o Universo com todas as suas galáxias e dimensões: em outras palavras, não crê em Deus, mas que uma infinidade de espíritos evoluídos imbuam-se da incumbência de ajudar e socorrer os humanos.  Não é por isto, todavia, que tal filosofia que vejo como religião não obedece a uma doutrina tão lacrada a discussões e questionamentos como as outras.
    O problema maior das doutrinas é que acabam, não sempre intencionalmente, abrindo espaços para que seu secto (ou parte considerável deste) incida na intolerância e nas práticas fundamentalistas,  como acontece onde se vive sob os desígnios da fé comunista,  como ocorre no Brasil, onde alguns grupos criminosos de protestantes atacam os adeptos de religiõeas africanas e de outras formas de espiritismo; como é onde se tem a presença de partidários do fundamentalismo islâmico e de atrocidades  decorrentes deste.  Este tipo de intolerância logicamente abriga três vertentes: uma que é verdadeiramente cega, irracional e defende a fé como defendesse Deus e própria vida,  uma segunda, que não pretende mais do que manter os próprios privilégios e preservar a solidez da estrutura que a favorece, e a última, que reúne em si os dois quesitos. 
    Embora tenha mencionado os casos em que as ideologias e doutrinas têm desdobramentos mais graves, meu intuito é ocupar-me das situações mais prosaicas, em que o comprometimento do discernimento e da concepção do pensamento não provoca assassínios e tragédias.   De modo que insisto em que a religiosidade não precisa obedecer a um parâmetro ou critério estabelecido.  Da mesma forma como, apesar de não mais crer  no socialismo (a não ser como utopia), defendo veementemente uma distribuição de renda mais justa e milhões de anos-luz distante deste neoloiberalismo demoníaco e perverso praticado no Brasil e no mundo.  No Brasil, sim, porque os governos petistas são tão capitalistas quanto os pessedebistas, com a diferença de que os primeiros(petistas) são populistas. O país pode melhorar muito socialmente se os salários forem menos  irrisórios, e os tributos, justos e permitirem uma carga maior sobre os ombros dos realmente abastados, se o Estado arcar com a saúde, a educação, a segurança, a infraestrutura de um modo geral, e com a liberação de verbas para uma política habitacional  genuinamente séria, sem que isto implique na estatização das fábricas, comércios, dos meios de produção em geral ou mesmo do sistema financeiro.  Haveria então mais justiça na divisão de recursos sem uma cartilha socialista (sem doutrina).
    Em conclusão, embora a minha dificuldade (mas não impossibilidade) de crer na existência de algo além da vã filosofia entre o céu e a terra, não me sinto compromissado com minha condição materialista atual.  Por isto, entre mil outras razões, penso que um ser humano não deve e não pode deixar suas ideias se restringirem às paredes do encarceramento intelectual que representam as doutrinas e ideologias.

    Barão da Mata

    segunda-feira, 14 de setembro de 2015

    O ANTI-HERÓI III

    Não sou bom-moço nem sou parnasiano,
    Não sou de rezas, rituais e cerimônias,
    Não  canto hinos nem exalto flâmulas, bandeiras.
    Fico distante de senhores, poderosos e excelências,
    Mais longe ainda de homenagens, rapapés e de discursos.
    Digo palavras de corar os puritanos, 
    Louvo o pecado como os monges louvam os anjos.
    Não danço a música dos modos comportados.
    Recito uns versos embebidos na luxúria,
    Digo meu não quando todos dizem sim,
    Solto impropérios quando querem louvações.
    Em nada creio onde impera uma fé cega,
    Jogo ironias onde querem comoção.
    Minha'alma é livre, planando em minhas asas,
    Nada me prende senão a moça que me encanta,
    Senão os desejos e emoções que me arrebatam,
    Senão os amores que me fazem doce plenamente 
    E que me elevam em tão imensurável bem-querer.

    terça-feira, 1 de setembro de 2015

    E AGORA, MEU POEMA?

    Após ler comentários negativos ( de uma só pessoa) sobre alguns dos meus poemas, como por exemplo "Noite Deserta" http://baraodamata.blogspot.com.br/2010/03/noite-deserta.html  , que recebeu a observação de que as imagens poéticas com ninfas e Dionísio estariam muito batidas (eu só os coloquei porque realmente quis rebuscar a poesia), "Se a Tristeza Vier"http://baraodamata.blogspot.com.br/search?q=SE+A+TRISTEZA+VIER, que me valeu a crítica de que o  trabalho, por estar no modo imperativo, mais parecia uma pregação, crítica esta ilustrada com a afirmativa de que Boudelaire jamais faria aquilo ou então logicamente não seria Boudelaire, e por último, por criar "Outra Quase Cantiga de Roda"http://baraodamata.blogspot.com.br/search?q=OUTRA+QUASE+CANTIGA+DE+RODA ,  a arrogante espinafrada de  que os meus poemas  mais parecem uma colcha de retalhos, feita com trechos de músicas antigas, sem no entanto ter a poesia das respectivas letras... Depois de ouvir (ler) isto tudo, preciso dar alguma resposta às cacetadas recebidas:



    E agora, meu poema, que te faço?
    Abandono imagens belas e metáforas?
    Só faltou que cruelmente te chamassem
    Casa pobre com adornos ordinários.
    Que fazer agora, então, meu verso?
    Deixo para trás os sóis, luares e as estrelas,
    O silêncio tão cantor das madrugadas,
    As varandas, as penumbras e os quintais?
    Que será, meu canto, dize a mim, dos seresteiros,
    Inspirados violeiros das esquinas?
    Que será, se até Dioníso, deus  de todas as orgias,
    E as ninfas foram expulsas das letras sobre esbórnias?
    Ai, meu Deus(!), e agora como vou fazer a poesia
    Sem ardores, sem morenas de peitos bem durinhos,
    Sem o samba, sem um louco, um desregrado ou vagabundo?
    E agora, me falais vós que me ledes, se é belo ou se  não é
    Um poema ornamentado de jardins e sóis dourados.
    Como doravante vou falar das paixões que me inquietam
    Sem o céu cheio de prata e sem a brisa das manhãs?
    Não xingueis a mim se porventura parecerem
    Os meus versos financeiros, eletrônicos, criminais, policiais.
    E agora, meu poema, que te faço, que te faço?
    Ah, meu poema(!), insistente e teimoso erro repetido
    Ao longo destes  anos e decênios tão compridos,  
    Transformado em coisa vil a demandar saco de lixo.

    Por que não imitei ou me alinhei a Baudelaire ou Mallarmé?
    Por que diabo, meu poema, não fui ser parnasiano?
    Ou então por que não fui concretista ou mesmo seiscentista
    Ou qualquer coisa diferente do poeta que me fiz?
    Meu poema, meu poema(!), dize a mim, enfim, poema,
    O que faço, o que faço(!), o que faço ora de ti?

    II

    Há, poema, quem se queixe mesmo até
    Das poéticas licenças de que abuso:
    São licenças obtidas na prefeitura literária
    (Mas que tirada infame em verso tão sem melodia! Arre!)

    2012

    FESTIM DA VOLTA

    Dourei de sol minha manhã,

    Embora houvesse chuva fina.
    Enchi de amor minha canção,
    Me  fiz mais terna mansidão,
    Tornei-me doce poesia,
    Para aguardar você voltar.

    Reli poemas tão bonitos,
    Enchi meu peito de alegria,
    Cheirei profundo o vento leve,
    Enchendo a alma então de brisa,
    Ornei meu peito de paixão,
    Para aguardar você voltar.

    Deixei o vinho sobre a mesa,
    Pus a tocar mil melodias,
    Me fiz devoto aos sons mais belos,
    Pintei a casa de poema,
    Tornei-me orquestra de alegria,
    Para aguardar  você voltar.

    Guardei um verbo tão macio,
    Abri meus braços para a vida
    Me fiz tão uno co’o lirismo,
    Lhe fiz uns versos de paixão
    Tão parecidos co’oração,
    Para aguardar você voltar...

    2012



    Poema musicado por Marcelo Bizar, que interpreta a canção:

    sábado, 1 de agosto de 2015

    SE DILMA NÃO SOFRER "IMPEACHMENT", PREPAREM-SE: VAI DAR GOLPE! VAMOS SER OUTRA VENEZUELA






    Sempre ouvi dizer (concordando plenamente) que o passado, quando esquecido, tende a se repetir.  As sociedades não podem viver sem memória histórica, ou seja: haver nascido após o fim de determinado processo político não desobriga nenhuma população de conhecê-lo, justamente para evitar que  este ressurja.
    Nasci em 1958, tinha portanto 6 anos em 1964, mas a pesquisa me fez deduzir que o ensaio pré-golpista do governo Dilma, por assemelhar-se ao daqueles idos, é bastante sintomático.  
    Ninguém pode dar um golpe sem respaldo de alguns setores, e os militares e o poder econômico fizeram maciças campanhas na mídia, respaldaram-se no Congresso, na Justiça e em líderes políticos de grande projeção, como Carlos Lacerda, governador do antigo Estado da Guanabara, atual Rio de Janeiro, Magalhães Pinto, governador de Minas, que conduziu tropas até o Rio.  Foi assim criada a grande atmosfera que permitiu a derrubada do então presidente João Goulart: os militares tinham o apoio da mídia, que formou a opinião da população, o da maioria dos congressistas, além do silêncio do Judiciário, que percebeu bem que uma batida de martelo tem bem menos força do que um tiro de canhão.  Foi  justamente um ano depois que nasceu a TV GLOBO. As Organizações só contavam antes com o jornal O GLOBO e a emissora de rádio do mesmo nome e suas afiliadas, entidades já antes alinhadas aos golpistas. A concessão foi um presentaço de Papai Noel dado pela regime.
    Neste momento Dilma se respalda no STF, onde ostenta folgada e confortável maioria.  Conta com uma base aliada e um Congresso que, embora hoje rebeldes, são muito sensíveis a agrados e "mimos", como verbas, cargos e coisas  do gênero.   Sabendo disto, já tem ela trabalhado no sentido de conter as insatisfações dos políticos.  Não será difícil obter o apoio da maioria.  Assim, o PMDB (principalmente) pretende mantê-la onde está até o final do mandato, justamente pelas benesses que já recebe e ainda receberá.  Quanto à mídia, o Jô Soares, excelente garoto de recados dos Marinho, foi ao Palácio da Alvorada e deu um programa inteirinho à presidente e à sua defesa, com o fito de resgatar-lhe a aprovação, hoje em minguados 7%.  Depois a mandatária esteve no programa da Ana Maria Braga (Não vi. Será que fritou batatas?).   Não demora e vai estar no Faustão e ainda vai ser comentarista dos jogos de futebol da emissora.  Hoje, quando a Cristiana Lobo se refere a ela, só falta falar "coitadinha" e ainda age como porta-voz do Planalto.  A dúvida que a empresa da política nada versada deixa é: conseguirá com o amparo da Globo recuperar a simpatia popular?  Não sei, mas, se não, eu respondo com uma máxima irônica do falecido mestre Millôr Fernandes: "Opinião pública é aquela que se publica." Precisa mais? Não é necessário sustentação popular: Nicolás Maduro não tem e continua governando com poderes absolutos.
    Vou até contar uma "pérola" sobre o ditador venezuelano.  Como este tem sido sempre alvo de protestos e manifestações, baixou uma resolucão que permite às suas forças armadas e polícias atirar em manifestantes para matar: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/206122-venezuela-autoriza-atirar-contra-protesto.shtml .  http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/maduro-decide-mandar-bala-em-manifestantes-nossas-esquerdas-aplaudem/ .  Entendem agora onde fica a opinião pública?  Em outras palavras, as coisas podem acontecer, e a imprensa não publicar ou maquiar.  
    O que não é difícil, se a Globo tentou fraudar as eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1982, tentando colocar Moreira Franco no Palácio Guanabara e evitar a posse de Leonel Brizola.  A afinação global com as ditaduras sempre foi tão íntima, que uma vez, procurado por uma autoridade militar que queixava-se de o jornal O GLOBO ter comunistas, o imperador Roberto Marinho respondeu-lhe: "O senhor cuida dos seus comunistas, e eu cuido dos meus."
    Dentro deste contexto, entretanto, os que respaldam Dilma não vislumbram ainda outros riscos: ela pode mais tarde fechar o Congresso, fazer valer a lei de regulação da mídia que prometeu em sua campanha de 2014, assim como Ernesto Geisel fechou o parlamento e impôs a Reforma do Judiciário.  Assim V. Excia. calaria as oposições, os veículos de comunicação e ainda de sobejo poderia  limitar em muito a liberdade de ação e movimento do Judiciário.
    Há porém uma diferença dos dias de hoje em relação aos tempos da ditadura.  Naquele tempo o cérebro do regime era o Golbery do Couto e Silva, general de maldade, cultura, brilho e talento político inquestionável, conhecido nas esferas políticas como "o bruxo", pela sua capacidade de articulação e maquiavelismo; e os presidentes militares não cometiam erros políticos crassos que Dilma comete por ser absolutamente despreparada para o exercício da chamada  "arte"  da política.  E ainda pra piorar vamos ter por detrás da cena, no lugar do Golbery, o Lula?!  Acho que o regime de exceção que se desenha no horizonte  será muito pior do que o de 1964 a 1984.  Imagine um golbery analfabeto com a batuta na mão?
    A possibilidade de golpe é, a meu ver, um plano B que o PT já tem na manga  há muito tempo, porque , ainda em 2013, uma vez conversei com um jornalista petista, e este, além me ter dado um banho de conhecimentos, pelo tom  autoritário com que falou, me fez sentir que o partido fica no poder para sempre, custe o que custar a quem quer que seja.

    Barão da Mata

    sábado, 31 de janeiro de 2015

    É PRECISO MUITO CUIDADO COM OS FUNDAMENTALISTAS DAS REDES SOCIAIS


    O mundo se vê estarrecido com as ações dos fundamentalistas que se dizem seguidores de  Maomé, dentre os quais hoje o mais famoso é o Estado Islâmico, cujo radicalismo deturpa o Alcorão e vai às raias das ações mais tenebrosas.  Não há como qualificar suas práticas. São pavorosas por demais. 
    Mas não são eles de que quero falar.  É de gente que de algum a tais radicais se assemelham. Ou seja, o que pouco se menciona é que o mundo tem fundamentalistas de várias outros gêneros, como os desportivos, que se abrigam sob a bandeira de algumas torcidas organizadas e promovem atos de crueldade e vandalismo.  Os fundamentalistas políticos, que, com o intuito de afastar qualquer risco de perda das regalias conquistadas por sua ligação com o poder - ou mesmo por usar os antolhos doutrinários que limitam-lhes a capacidade de conceber pensamentos -, dão-se a hostilizar ou tentar destruir todos aqueles que se opõem às ideias (por mais estapafúrdias que sejam) que tais sectários defendem.   Muito incidentes são também os fundamentalistas religiosos não islâmicos, para os quais todos os que não tenham sua visão  merecem arder no fogo do Inferno, sob os martírios mais lancinantes.
    Um dia desses, após publicar um vídeo numa rede social, deparei com um desses... e não sei dizer de que cepa era o fundamentalista em questão.  
    Postara eu um vídeo em que fingia enganar-me,  afirmando para imediata correção posterior que o Brasil estaria  situado no continente africano.  Com esta ironia, quis apenas fazer uma clara crítica ao cenário social e político do país, da crise ética bastante flgrante no cenário nacional, numa analogia de nossa terra quanto a vários países da África, onde há políticas populistas,  ditaduras declaradas ou disfarçadas, caos na saúde, na educação, na segurança, no emprego, nos salários, etc... Não quis depreciar a África, mas mostrar que a nossa realidade é, em algumas regiões e camadas,  de certo modo parecido com a dos sofridos povos de lá.  Da mesma forma como não tive uma postura racista: logo eu, de feições negroides, filho de baiano e neto de sergipana negra, como poderia ser tão idiota que renegasse a negritude que se manifesta no sangue das minhas veias?  Como poderia me dar a um preconceito tão ridículo e pernicioso como o racismo?
    Mas o vídeo afirma, no título e conteúdo, que, se povo soubesse votar, não teriam os judeus preferido Barrabás a Jesus, numa claro alusão à ignorância política de uma parte considerável dos eleitores brasileiros.  É o que acho e reafirmo: o eleitorado nacional tem uma grande parcela tão ignara e despreparada para escolher quanto o povo da Judeia nos anos de Cristo.   Mas não há uma postura antissemita.  Falo de um povo sem rumo na antiguidade, sem deixar de considerar que poderia ter escolhido como escolheu por Barrabás lutar contra a ocupação romana naquela época, ao contrário de muitos dos votantes daqui, que sufragam  errado por irresponsabilidade, teimosa e refratária alienação e desconhecimento.  Digo o  que penso, não  vivo de votos e quem é demagogo e populista é o PT.
    Voltando à questão do sujeito que me fez a abordagem virtual, que não tinha rosto e fotos, fiquei sem saber se agiu como agiu por ser negro e sentir-se equivocadamente ofendido, se era judeu e se presumiu igualmente atacado (também num grande equívoco) ou se era partidário ferrenho de alguma legenda expressivamente votada em algum ou alguns níveis no cenário nacional... mas o fato é que foi extremamente mal-intencionado, porque acusou-me de covardia e de atacar os mais fracos - talvez, na hipótese de ser político,  com o fito de atribuir-me uma investida contra negros e/ou judesus por mera retaliação.  Coisa do tipo: "Pisou nos meus calos, acabo com você ainda que da  forma mais torpe."  Mas que distorceu a verdade e tentou me prejudicar é inquestionável.  
    Respondi que, já que tinha o indivíduo dificuldade para entender,   explicava-lhe minuciosamente meus intentos e da vez seguinte escreveria para pessoas como ele em linguagem de professor de classe de alfabetização.  A tréplica foi a acusação de que eu seria preconceituoso, dando bastante ênfase à afirmativa, tentando colocar afrodescendentes e semitas contra mim.  Não vi então saída senão bloquear aquela criatura na rede e excluir toda a discussão.
    O meu palpite é que era algum militante político, desses que recebem favores e benesses do poder e em tudo veem uma ameaça de perda de sua condição privilegiada. Que nada produzem e tudo ganham, reservando os dias inteiros para o exercício de suas atividades preguiçosas de bolcheviques de porta de botequim,  vigilantes e atentos, prontos a hostilizar e até espancar qualquer ser vivente que discorde das práticas das agremiações que os ungem e mantêm envoltos em favores que os fazem felizes como almas no Paraíso.  
    Afastei de mim o sujeitinho,  mas ficou uma constatação receosa:  há uma quantidade não desprezível de pessoas imbuídas de péssimas intenções nas redes sociais, e é preciso muito cuidado com elas.

    domingo, 4 de janeiro de 2015

    POEMA BANDIDO III

    É o momento de louvar os festejos dissolutos,
    os malandros com seus dados viciados,
    as mulheres seminuas dos bordéis.

    Fazer verso aos bebuns que não têm rumo,
    às lascivas dos duzentos namorados
    se exibindo e se ofretando nas esquinas.

    Fazer canto ao Carnaval e  excessos da folia
    com as bundas mais diversas e suadas
    rebolando, reluzentes, nos salões.

    Ode aos peitos, vulvas, coxas, ancas que se mostram, 
    Num sentir arrebatado, fascinado, enlouquecido,
    Entre gestos obscenos, rebolados imorais.

    Ah, falar pornografias e mandar o mundo às favas!
    Adentrar as cerimônias desvestido de camisa
    E cantar bonitos sambas, abafando os oradores.

    Mas jamais trajar um terno e se vestir de hipocrisia,
    Nunca, Deus(!), deixar valer a hipocria!

    Jardim Botânico


    OS PAIS-DE-SANTO, PROFISSIONAIS E GURUS E A DOIDEIRA DOS DEPENDENTES

    Se existe uma coisa que me impressiona, é o vínculo de dependência que as pessoas criam quanto às  outras, como acontece nas relações que têm com os psicoterapeutas, médicos, cartomantes, tarólogos, pais e mães-de-santo, pastores, padres, etc... Conheci uma taróloga e cartomante que era consultada pelas pessoas que a ela recorriam pelos motivos mais diversos e inusitados, alguns até extremamente fúteis.  Relato até o caso de um indivíduo que ligou-lhe por volta das sete da manhã, num domingo, de um hospital onde estava internado, e pediu-lhe que visse nas cartas como estava seu estado de saúde e se se sairia bem.  Juro que é a mais absoluta verdade!  Testemunhei os telefonemas, ouvi os recados na secretária eletrônica.
    Sei de gente que não dá sossego aos psicólgos, de evangélicos que consultam os pastores para cada passo que dão na vida.  Há casos famosos de influência extrema de pastores sobre os fiéis, como o de Jim Jones, que em 1978 se matou e levou mais de novecentos ao suicídio.
    Mas não quero aqui versar sobre coisas sérias, quero soltar  a imaginação.  Imagino o psicoterapeuta que recebe às 3 da manhã o telefonema de um paciente desperado.
    - Alô!
    - Renato, é você?
    - Sou, mas, meu Deus(!), quem tá falando a essa hora?!
    - Sou eu, o Lúcio!
    - Mas que Lúcio, meu amigo! Tenho tanto paciente...!
    - O Lúcio... aquele que só goza ouvindo sertanejo...
    - Ah! Sei, sei! Mas o que faz você me ligar a essa hora, homem de Deus!  Interrompeu meu sonho erótico...!
    - O problema é por aí, meu querido...  É que acabei de broxar agora, quando tentei transar com a minha esposa...
    -  Puxa, Lúcio, toma um viagra, mas me deixa dormir!
    -  Mas onde vou achar viagra às três da manhã?
    -  Dá um jeito, meu prezado, mas me deixa dormir, por favor!
    -  Você acha que devo tentar de novo?
    - Tenta, tenta, por favor! Mas me deixa dormir!
    - Você acha que é complexo de culpa ou de inferioridade?
    Minutos depois toca o telefone de um pai-de-santo:
    - Alô!!! - ele atende assustado - Quem é a essa hora??!!
    - Alô, Pedrim d'Exu, aqui é o Renato, o psicoterapeuta!  É que agorinha mesmo um paciente ligou e perturbou meu sono. Você acha que é carga espiritual negativa?

    NOSSOS COMERCIAIS (V)

    Para entrevistado caladão,  entrevistador Faustão! Se você é tímido e se sente acabrunhado ao dar entrevistas, evite monossílabos: procure Faustão!  Faustão é rápido e prático e não dá trabalho, porque  pergunta e  responde por você! Não se esqueça! Entrevistador Faustão!



    Ficou ultrapassado curar traumas psicológicos com psicoterapeutas, psiquiatras e regressões. Se você tem recordações que o fazem sofrer, tome já o comprimido apaga-memória Lúlia Parélia e se esqueça de tudo!  Lúlia Parélia! O comprimido que faz você não saber de nada! O preferido dos políticos brasileiros!

    Vem aí mais um "Brigue Bode"! Meça já a resistência do seu saco escrotal. Se ele não estourar desta vez, nunca irá explodir por nada, nada! Seja agora mesmo o grande ganhador do troféu "Saco de Ouro" assistindo a todos os episódios de "Brigue Bode Brasil"!

    Assista toda quinta-feira ao programa "Paixão e Sacanagem", com Hernanda Prima, e receba lições de como trepar mais do que um macaco.  Assista e, se for um homem de vida sexual passiva, veja muitos machos pelados e concorra a personagem da novela das nove, onde o mundo é totalmente cor de rosa.

    Aproveite a grande promoção das Casas Brasília e compre já o seu político corrupto em oito vezes sem juros!


    Contrate a obra de sua cidade na empreiteira Mar de Lama e enriqueça de uma vez só!  Nós pagamos a maior propina! Superfaturamos, desviamos material, damos rasteira em cobra.  Mar de Lama, a construtora que suborna como ninguém!

    NOSSOS COMERCIAIS(IV)


    Você, maridão daquela dona de casa esgotada, dê  de presente à sua mulher o creme íntimo Proventa,e ela à noite vai arder na cama assim que nem pimenta!

    Se você tem problemas de ereção, a Parlamentary's Laboratory lançou uma novidade que torna ultrapassados todos os remédios já conhecidos:  O Torpedus! Toprpedus é um ultra-poderoso afrodisíaco e vasodilatador que garante efeito de 365 trinta dias por ano com desempenho sexual pleno.  Torpedus é o estimulante de Dionísio e de todos os dos deuses do Olimpo, é a droga das orgias dos deuses!  Só Torpedus permite aos políticos  sodomizar todo o  povo desta terra permanentemente, sem nunca, nunca  falhar!  Use Torpedus! O estimulante do político brasileiro!

    A Mazela Turismo apresenta agora uma promoção imperdível!  Percorra em dois anos os engarrafamentos do Rio, com vista para as favelas da Avenida Brasil e o Piscinão de Ramos, e os serviços de camelôs, com  latinhas de cerveja, biscoitos de polvilho, tudo isto com cinquenta por cento de desconto e para pagamento em quatro anos pelo cartão de crédito!   Não perca a maior aventura turística da sua vida, com lonquíssimas paradas nas cracolândias e, ainda(!), ainda(!), a chance de ver os escombros da Perimetral!!!  Você não poderá perder esta oportunidade de presenciar uma lambança histórica!!!
    E mais!! Você poderá ser contemplado com um dos acidentes de trânsito típicos da região, além de mlorrer de rir em ver tanta imprudência, barbeiragem e impunidade! Ligue já para a Mazela Turismo, reserve sua passagem e venha viver uma verdadeira epopeia do Indiana Jones!!!

    Se você deseja ser corrupto, mas tem vergonha, não passe por constrangimentos: vá às Casas Brasília e compre Picaretol, o ansiolítico  relaxante que vai lhe permitir roubar com aquela tranquilidade...

    Antigamente,  os maridos e namorados traídos ficavam tristes e  acanhados. O homem moderno, no entanto, não tem mais este problema, porque hoje pode comprar nos supermercados o ornamento Galhamax(!), o embelezador de cornos que faz você orgulhoso dos seus chifres!!!  Exiba galhos grandes e exuberantes, com miquinhos e frutas artificiais.  Você terá os chifres mais bonitos, nos modelos galhada-de-veado, goiabeira  ou árvore-de -Natal.  Compre já seu Galhamax e desfile no "shopping" os chifres mais elegantes do mundo!

    Para aqueles que não conseguem um bom diálogo, seja a mulher com o marido ou o marido com a mulher, por conta de diferenças intelectuais, a Farmaburros lançou Idiotex, o redutor de inteligência que põe qualquer um no nível do parceiro cabeçudo.  Não se esqueça: se a diferença cultural entre você é grande, dê à pessoa amada Idiotex agora, e ela cantará um "funk" na hora.

    NOSSOS COMERCIAIS (III)

    Cento e vinte por cento dos homens maiores de  dezoito anos sofrem de impotência.  Cento e três por  cento dos maiores de dezenove, de ejaculação precoce.  Cento e quarenta por cento têm transtornos de diarreia mental.  Mas também pudera!  Olha só em quem você votou!   Para não  errar mais na hora de escolher, use Votol, o antidiarreico mental dos sábios.  Não se esqueça: só Votol impede você de fazer merda na hora de votar.  Se você tem o miolo frágil, só Votol na hora do Sufrágio.

    FALA O DR. VÁUSIO  DRALELA: É preciso tomar cuidado.  Muitos maus odores, infecções no ar, inquietação,  mal-estar, náuseas, podridão,  são os ventos da política.  Por isto, é sempre bom avisar: antes de botar o voto na urna eletrônica, use sempre a "camisinha".

    Se o seu marido não a deixa dormir, chega tarde da rua e quer sexo,  e já não mais resolvem as  suas desculpas.  Se não adianta inventar dor de cabeça, menstruação, depressão,  TPM, mau-humor, preocupação... Se nada disto  já não "cola" mais (!), só há uma solução!  Dê a ele Broxol! Broxol! E você poderá dormir feliz e em paz como um anjo...!

    Criança inquieta, que não consegue parar de correr e de falar,  te belisca, se agita... Observe bem... Se o seu filho é assim... desça a  porrada nele!

    Não deixe para comprar amanhã.  Deseja consumir? Use o seu cartão Falência! Use e abuse, e depois você vai ficar arrombadinho, arrombadinho...  Use o seu cartão Falência e seja a estrela do SPC!

    Só o Magic Center faz a melhor manutenção da sua bola de cristal.  Se você olha dentro da bola de cristal e não consegue ver nada, não pestaneje: chame logo a Magic Center.  Temos também baralhos encantados e com câmeras de visualização de futuro, búzios com microfones para você ouvir as previsões.  Mais ainda: vá ao nosso setor bíblico e compre o nosso saco de milagres em doze vezes sem juros. Não fique aí ocioso: visite a Magic Center, a loja de departamentos do religioso.

    Veja o jornalismo da "Ovonews" e entenda o que é babar ovo de verdade.  Não perca, com Tatiana Bobo, Alexandre Babinha, "Jonral Ovonews"!  Aquele que dá as notícias e aquela agradável sensação de testículos  molhados.

    Dores de cabeça? Pode ser que o seu cérebro seja grande demais para a caixa craniana.  Mas não se desespere: para tudo há uma solução: se sua caixa craniana é pequena demais, use os comprimidos encolhedores de  cérebro B-B-B!   Só B-B-B deixa a sua massa cinzenta pequenina de caber no bolso.